Gustavo Vargas em "O Frágil Som do Meu Motor" de Leonardo António

Gustavo Vargas em Gustavo Vargas em

Sinopse

As dúvidas existenciais de um ser humano começam dentro do útero. “Será que irei nascer e conhecer a minha mãe?” A história é contada na primeira pessoa por um bebé ainda por nascer. Gabi é enfermeira e casada com Pedro um ex polícia, vítima de um tiroteio que o deixou paraplégico. Com um casamento em declínio Gabriela começa a receber cartas de um admirador secreto e rapidamente é conduzida para uma relação intensa e misteriosa. Esta ligação assenta numa fantasia…vendar-se a si própria, a pedido do amante, para não conhecer a sua identidade quando estão juntos. Vítor é um investigador policial que foi colega de Pedro. Está presentemente a trabalhar num misterioso caso de assassínios em série. As vítimas, todas mulheres, são queimadas vivas em suas próprias casas por alguém que, meses antes, as engravida. Gabi trabalha na Unidade de Queimados, onde está a tratar da única sobrevivente a estes ataques. Grávida e inconsciente, esta mulher não é identificável, pelo que Vítor pede ajuda a Gabi. Um número considerável de suspeitos ligados à sua vida, vai surgindo à medida que a ação se desenvolve: o sexualmente perverso médico que é eu colega; o perturbado e paranóico paciente da unidade cujo rosto está parcialmente queimado o detetive que esteve apaixonado por ela, juntamente com vários outros personagens, todos com elos ao passado e presente da vítima. Como um Tango, atemporal e implacável, O Frágil Som do Meu Motor marca o ritmo das personagens no seu melhor... e no seu pior!